Resposta glicogenolítica à agonistas adrenérgicos no fígado de ratos tratados com glutamato monossódico (MSG) - DOI: 10.4025/actascihealthsci.v28i2.1103

Rosana Torrezan, Sabrina Grassiolli, Nilton de Almeida Brito, Paulo Cezar de Freitas Mathias

Resumo


Administração de glutamato monossódico (MSG) em ratos neonatos causa lesão no núcleo arqueado (NA), seguido por uma síndrome de disfunção neuroendócrina caracterizada por obesidade e reduzida atividade simpática. O objetivo da presente investigação foi examinar a resposta da glicogenólise hepática a agonistas adrenérgico em ratos tratados com MSG. Ratos Wistar machos receberam injeções subcutâneas de MSG (4 mg g-1 de peso corporal) ou salina equimolar (controles) durante cinco dias após o nascimento. Noventa dias após o tratamento, os fígados de ratos-MSG ou controles foram perfundidos in situ com epinefrina e agonistas α- e β-adrenérgico. Isoproterenol, fenilefrina e epinefrina aumentaram a glicogenólise em ratos-MSG, comparados aos controles (50 ± 2,8 Vs 17 ± 0,89 μmol min-1 g-1 de fígado, p < 0,0001; 64 ± 0,15 Vs 37 ± 0,39, p < 0,0001; 35 ± 2,48 Vs 27 ± 0,98, p < 0,05, respectivamente). Concluiu-se que a lesão do NA aumentou o catabolismo do glicogênio aos agonistas adrenérgicos, possivelmente devido à reduzida atividade do eixo simpático - medula adrenal

Palavras-chave


agonistas adrenérgicos; glutamato monossódico; núcleo arqueado; obesidade; glicogenólise

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascihealthsci.v28i2.1103

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 1679-9291 (impresso) e ISSN 1807-8648 (on-line) e-mail: actahealth@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY