Violência na infância e juventude: atendimentos hospitalares e mortalidade em município da Região Sul do Brasil - DOI: 10.4025/actascihealthsci.v28i1.1109

Christine Baccarat de Godoy Martins, Selma Maffei de Andrade

Resumo


O estudo analisou as características da violência em menores de 15 anos, residentes em Londrina, Estado do Paraná, atendidos em hospitais ou que morreram em 2001, por meio de consulta a prontuários hospitalares e dados de mortalidade. Dos 67 casos estudados, 79,1% corresponderam às agressões (53 casos) e 20,9% (14 casos) às lesões autoprovocadas intencionalmente. Entre os casos de agressão, a maioria ocorreu no sexo masculino, na faixa etária de 10 a 14 anos, sendo os meios mais freqüentes a força corporal (54,7%) e a arma de fogo (15,1%). As internações por agressão (7,5%) foram todas decorrentes de arma de fogo, também responsável por um óbito (1,9%). Entre as lesões autoprovocadas, a ingestão de medicamento predominou (71,4%), o sexo feminino foi maioria (10 casos) e a idade mais freqüente foi 14 anos. As internações corresponderam a 35,7% e não houve óbitos. Os resultados podem contribuir para o planejamento de ações de prevenção desses agravos

Palavras-chave


violência; infância; juventude; mortalidade

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/actascihealthsci.v28i1.1109

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




ISSN 1679-9291 (impresso) e ISSN 1807-8648 (on-line) e-mail: actahealth@uem.br

  

Resultado de imagem para CC BY