“Sistema de aptidão das terras para recuperação ambiental” para avaliar a sustentabilidade de propriedades rurais da Amazônia - doi: 10.4025/bolgeogr.v29i1.10040

Elisandra Moreira de Lira, Adailton de Sousa Galvão, Paulo Guilherme Salvador Wadt

Resumo


O objetivo do trabalho foi avaliar a sustentabilidade ambiental da agricultura familiar em propriedades rurais em duas regiões com diferenças topográficas e pedológicas no Estado do Acre, Brasil: região do município de Acrelândia e região dos municípios de Feijó e Tarauacá. Em cada região, dois projetos de assentamento agrícola com sete propriedades rurais de cada um foram selecionados. A sustentabilidade da propriedade rural foi estimada pelo Sistema de Aptidão das Terras para Recuperação Ambiental (SATRA), o qual compara o uso atual da terra e o uso prescrito baseado em características locais, como solos, relevo e nível de adoção de tecnologias dependentes de capital ou escala de produção. O contraste entre o uso atual e o uso predito resulta nos índices de insustentabilidade, interpretados a partir de decisões lógicas construídas a partir da análise de indicadores agrícolas, biológicos, econômicos e sociais. Os resultados indicaram nas propriedades rurais de Acrelândia maior sustentabilidade em relação as propriedades rurais de Feijó/Tarauacá. Isto foi atribuído a presença de áreas de assentamento na região de Feijó/Tarauacá com menor aptidão agrícola e maior pressão sobre as unidades de uso restrito. Não foram observadas diferenças na sustentabilidade socioeconômica entre as duas regiões pelo sistema SATRA. Contudo, na região de Acrelândia, propriedades rurais com nível tecnológico dependente de capital resultaram em melhor eficiência no uso da terra, maior produtividade e rentabilidade econômica, todavia, sem necessariamente melhorar a sustentabilidade econômica.

 


Palavras-chave


sustentabilidade agrícola; avaliação das terras; desenvolvimento sustentável

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/bolgeogr.v29i1.10040



ISSN 2176-4786 (on-line) e-mail: dge-boletim@uem.br