Distribuição e recuperação da vegetação do cerrado e remanescentes na cidade de Campo Mourão, Paraná, Brasil - doi: 10.4025/bolgeogr.v29i1.10384

Renato Lada Guerreiro, Mauro Parolin, Tais Cristina Berbet Marcotti

Resumo


A urbanização de Campo Mourão iniciou-se em meados da década de 1940 numa área recoberta por cerrados. A cidade foi construída sobre área onde outrora tal vegetação era abundante. Com o crescimento da cidade a vegetação ficou restrita a pequenas “ilhas” esparsas e isoladas nas áreas periféricas. A preocupação com a preservação desta vegetação fez com que em 1987 fosse criada em meio ao sítio urbano a Estação Ecológica do Cerrado de Campo Mourão (±13.000 m2). Diante do exposto o presente estudo avaliou a distribuição de cinco espécies típicas do cerrado:  Stryphnodendron adstringens, Brosimum gaudichaudii, Annoma crassiflora, Copaifera langsdorffii e Caryocar brasiliense no perímetro urbano de Campo Mourão, os resultados indicaram que o desenvolvimento dessas espécies está ocorrendo apenas próximo à Estação Ecológica e que S. adstringens é a espécie mais degradada por conta de suas propriedades medicinais.


Palavras-chave


Áreas adjacentes; Estação Ecológico do Cerrado de Campo Mourão; preservação ecológica

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/bolgeogr.v29i1.10384



ISSN 2176-4786 (on-line) e-mail: dge-boletim@uem.br