DEGRADAÇÃO DE ALGUMAS DAS PROPRIEDADES DE UM NITOSSOLO VERMELHO EM FUNÇÃO DO TIPO DE USO NA REGIÃO DE MARINGÁ - PR

Ivaldete Barreto Gôngora, Maria Teresa Di Nóbrega

Resumo


a ocupação solos na região de Maringá, na década 50 se deu pelo desbravamento de áreas de Nilossolo Vermelho e Latossolo Vermelho, para implantação da cultura de café que, posteriormente, passaram a ser exploradas, através de processos mecanizados, para produção dc grãos (milho, soja e trigo). a prática dessa agricultura mecanizada c intensiva, a partir da década de 70, sem os métodos adequados dc manejo e de controle de erosão, provavelmente contribuiu para a degradação das propriedades pedológicas. Visando avaliar essa degradação, loi realizado um estudo comparativo e algumas propriedades morfológicas, químicas c físicas entre três perfis dc solo, representativos dc Nitossolo Vermelho sob mata nativa, sob cultura dc café e soja/trigo. O perfil, sob mata nativa, serviu para avaliar o grau de alteração dessas propriedades provocados pelos sucessivos tipos dc uso e manejo. Os dados obtidos evidenciam a degradação das propriedades físicas c químicas nos perfis cultivados do Nitossolo Vermelho. As maiores alterações ocorreram nas camadas superficiais (até 30 cm de profundidade) dos solos cultivados. Considerando-se o tipo de cultura c o manejo, o café induz a uma maior concentração superficial das frações mais grosseiras, densidade global mais elevada, porosidade mais reduzida e maior acidificação nas camadas superiores, em comparação com a cultura soja/trigo. Efeitos semelhantes, mas mais atenuados, principalmente quanto à acidificação, também são observados na cultura soja/trigo. Como esses sistemas dc manejo são os predominantes na região, provavelmente que a degradação observada, seja generalizada na área dc ocorrência do Nitossolo Vermelho.    

Palavras-chave


degradação; propriedades pedológicas; nilossolo vermelho; uso e manejo

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/bolgeogr.v20i2.12839



ISSN 2176-4786 (on-line) e-mail: dge-boletim@uem.br