RELAÇÃO SOLO - PAISAGEM NA BACIA DA SANGA MATILDE CUÊ, MARECHAL CÂNDIDO RONDON (PR)

Marcia Regina Calegari, Luciane Marcolin

Resumo


As causas e efeitos da instabilidade da paisagem da região Oeste do Paraná, até o momento, são pouco conhecidos, assim como os demais componentes do meio físico regional. Através da análise da paisagem, ressaltando as relações ente a cobertura e a morfologia do relevo realizou-se o estudo da distribuição da cobertura pedológica ao longo de uma topossequência de solos na margem direita da bacia da Sanga Matilde Cuê, Marechal Candido Rondon (PR). Foram descritos 3 pedons e coletadas e analisadas amostras de todos os horizontes pedológicos identificados. Estes pedons encontram-se no topo, média e média-baixa vertente. Esta vertente possui 600 metros de extensão e forma convexa- retilínea. O estudo foi realizado conforme procedimento da Análise Estrutural, conforme BOULET et al. (1982) e os solos descritos e classificados conforme Santos et al. (2005) e Embrapa (2006), respectivamente. Foram observadas variações pedológicas ao longo da vertente. No setor de alta vertente (topo) foi descrito um Latossolo, muito espessos e bem drenados que se estende até a média vertente onde se encontra uma forte ruptura de declividade que favorece a formação de solos rasos classificados como Neossolos Regolítico. No segmento de média-baixa vertente voltam a ser encontrados solos profundos, classificados como Nitossolo, com horizonte B nítico bem desenvolvido e espesso diminuindo em espessura e grau de estrutura a medida que se adentra no segmento de fundo de vale. Estes Nitossolos ocupam toda a rampa retilínea do segmento de média-baixa e baixa vertente, que mede aproximadamente 300 metros de extensão. 


Palavras-chave


Topossequencia. Latossolo. Nitossolos. Marechal Cândido Rondon.

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/bolgeogr.v32i3.18257



ISSN 2176-4786 (on-line) e-mail: dge-boletim@uem.br