CARTOGRAFIA DE SÍNTESE E GEOGRAFIA DA SAÚDE: APROXIMAÇÕES TEÓRICAS

Heitor Matos da Silveira, Naibi Souza Jayme

Resumo


Em sua história, a Geografia Médica tem se pautado na espacialização das informações relativas à manifestação de diferentes tipos de doenças no espaço geográfico. Doravante, com o desenvolvimento dos estudos voltados ao Planejamento em saúde, há a necessidade de elaborarem-se mapas cada vez mais precisos para melhores tomadas de decisões. A partir disso, a atual Geografia da Saúde utiliza-se de mapas para atingir seus objetos de estudo. Neste sentido, o presente artigo busca mostrar as contribuições que um mapa de síntese traz ao Planejamento e Gestão da Saúde. Buscou-se em referências bibliográficas que concernem as temáticas de SIG e Geografia da Saúde, assim como trabalhos que se utilizam de mapas de síntese para elucidação da importância deste tipo de mapeamento. Com isso, fora possível entender a importância destes mapas para o Planejamento Territorial em Saúde, com novas ferramentas e técnicas. 


Palavras-chave


Geografia da Saúde. Geoprocessamento. Cartografia de Síntese. Planejamento.

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/bolgeogr.v32i3.21071



ISSN 2176-4786 (on-line) e-mail: dge-boletim@uem.br