URBANIZAÇÃO, MIGRAÇÃO E REDE URBANA NO TOCANTINS: CONCENTRAÇÃO DE ATIVIDADES POLÍTICO-ECONÔMICAS E REDEFINIÇÃO DOS PAPÉIS DOS PRINCIPAIS CENTROS URBANOS

Ana Márcia Moreira Alvim, Kelly Bessa, Guilherme Luiz Lopes Ferreira

Resumo


O presente artigo, tendo em vista as transformações políticas, econômicas e socioculturais por que vem passando o Tocantins, depois de sua separação política do estado de Goiás, de sua inserção na Amazônia Oriental e da implantação de sua capital estadual, Palmas, em 1989, busca compreender as relações entre urbanização, migração e rede urbana, levando em consideração as novas funções e os novos papéis urbanos desempenhados pelos principais centros desse segmento de rede urbana. Para tanto, foram utilizados dados dos Censos Demográficos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística dos anos 1991, 2000 e 2010 e foram produzidos mapas utilizando-se o ARCGIS para que fosse possível se fazer uma análise espacial. Em apenas 21 anos o ritmo de crescimento demográfico de alguns municípios tocantinenses aumentou consideravelmente, especialmente o de Palmas, que além de atrair migrantes de origens distintas teve seu papel regional ampliado e suas funções urbanas tomaram maior dimensão ampliando sua centralidade. Por outro lado, alguns municípios tiveram decréscimo populacional decorrentes de perdas territoriais, e logo assumiram menor porte tendo sentido alterações em seus papéis regionais. Por tudo isso, um estudo como esse pode ser útil às autoridades públicas envolvidas com o Planejamento Regional, uma vez que atenta para questões essenciais à minimização das desigualdades municipais ou mesmo para que estas não sejam agravadas.


Palavras-chave


Urbanização. Migração. Rede Urbana. Tocantins.

Texto completo:

PDF (baixado


DOI: http://dx.doi.org/10.4025/bolgeogr.v37i1.38979



ISSN 2176-4786 (on-line) e-mail: dge-boletim@uem.br