FORMAÇÃO DE CONCEITOS POR MEIO DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

Gustavo Cunha de Araujo, Edimila Matos da Silva

Resumo


A pesquisa buscou compreender como as histórias em quadrinhos contribuem para a formação de conceitos científicos dos estudantes do curso de Educação do Campo da Universidade Federal do Tocantins, campus Tocantinópolis. A pesquisa teve como método o Experimento Didático-Formativo e os dados foram gerados por meio de questionários semiestruturados aplicados aos estudantes da Educação do Campo, além da observação de 10 (dez) aulas da disciplina de História em Quadrinhos. Isso foi importante para compreender como eles formam o pensamento teórico. Dentre alguns resultados, as histórias em quadrinhos podem ser um importante instrumento pedagógico para auxiliar na formação de conceitos desses estudantes, uma vez que foi possível verificar que em quase todos os seus relatos, as HQs produzidas por eles proporcionaram a compreensão do que essa linguagem significa, como se constitui e como ela pode se relacionar ao seu contexto, ao representarem a sua realidade por meio da arte.


Texto completo:

PDF (baixado

Referências


AQUINO, O. F. O Experimento Didático-Formativo: contribuições para a pesquisa em didática desenvolvimental. Didática e Prática de ensino na relação com a formação de professores. Uberaba: EdUECE, 2014.

AQUINO, O. F. Do experimento genético ao experimento formativo: contribuições de L. Vigotski e V. Davídov à pesquisa em Didática e formação de professores. In: Anais… XI CONPE, Universidade Federal de Uberlândia, p. 1-21, 2013.

ARAÚJO, G. C. O letramento estético na consolidação dos processos de leitura e escrita de educandos jovens e adultos da educação do campo. 319f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marília, 2018.

ARAÚJO, G. C.; COSTA, M. A.; COSTA, E. B. As histórias em quadrinhos na educação: possibilidades de um recurso didático-pedagógico. Revista A Margem: Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Letras e Artes, Uberlândia, v. 2, p. 26-36, jan./dez. 2008.

BARBOSA, A. M. Pesquisas em arte-educação: recorte sociopolítico. Educação e Realidade, Porto Alegre, jul./dez. 2005.

BARBOSA, A. M. O Ensino da arte no Brasil nos inícios do século XXI. Aprender, Porto Alegre, p. 109-113, 2003.

CALDART, R. S. Sobre a Educação do Campo. In: SANTOS, C. A. (Org.). Por uma Educação do Campo: campo, políticas públicas, educação. Brasília: INCRA/MDA, 2007, p. 67-86.

COSTA, M. L.; CABRAL, C. L. O. Da Educação Rural à Educação do Campo: uma luta de superação epistemológica/paradigmática. Revista Brasileira de Educação do Campo, Tocantinópolis, v. 1, n. 2, p. 177-203, 2016. Doi: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2016v1n2p177

DAVÍDOV, V. V. O problema da generalização e do conceito na teoria de Vygotsky. Palestra proferida durante o Comitê Internacional do ISCRAT (International Society for Cultural Research and Activity Theory). Tradução de José Carlos Libâneo. Studi di Psicologia dell Educazione. v. 1, 2, 3. Armando Roma, 1997, p. 1-9.

DAVÍDOV, V. V. Problemas do ensino desenvolvimental: a experiência da pesquisa teórica e experimental na psicologia. 1988. Disponível em: < http://professor.ucg.br/SiteDocente/admin/arquivosUpload/5146/material/Davydov>. Acesso em 07 de out. 2018.

FALEIRO, W.; FARIAS, M. N. Formadores de professores em Educação do Campo em Goiás. Revista Brasileira de Educação do Campo, Tocantinópolis, v. 1, n. 1, p. 88-106, 2016. Doi: https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2016v1n1p88

FERRAZ, M. H.; FUSARI, M. F. C. Arte na educação escolar. São Paulo: Cortez, 1992.

JÚNIOR, A. S.; MACIEL, F. I. Escola e linguagem: notas e intercorrências da alfabetização e letramento na Educação de Jovens e Adultos. Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 5, n. 13, p. 61-72, 2014.

LIBÂNEO, J. C. A teoria do ensino para o desenvolvimento humano e o planejamento de ensino. Educativa, Goiânia, v. 19, n. 2, p. 353-387, maio/ago. 2016.

LIBÂNEO, J. C.; FREITAS, R. A. M. M. Vygotsky, Leontiev, Davídov: contribuições da teoria Histórico-Cultural para a didática. In: SILVA, C. C.; SUANNO, M. V. R. (Orgs.). Didática e Interfaces. Rio de Janeiro; Goiânia: Descubra, 2007.

LONGAREZI, A. M.; PUENTES, R. V. (Orgs.). Fundamentos psicológicos e didáticos do ensino desenvolvimental. Uberlândia, MG: EDUFU, 2017.

MOLINA, M. C. Expansão das licenciaturas em Educação do Campo: desafios e potencialidades. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 55, p. 145-166, jan./mar. 2015.

PEREZ, T. C.; FREITAS, R. A. M. Ensino desenvolvimental: uma alternativa para a educação matemática. Revista Poiésis, Tubarão, p. 10-28, jan./jun. 2014.

PUENTES, R. V.; LONGAREZI, A. M. Escola e didática desenvolvimental: seu campo conceitual na tradição da teoria histórico-cultural. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 29, n. 1, p. 247-271, 2013.

SAKHAROV, L. Sobre métodos para pesquisa de conceitos. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 25, n. 3, p. 695-722, 2013. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1984-02922013000300017

SFORNI, M. S. Aprendizagem conceitual e organização do ensino: contribuições da teoria da atividade. Araraquara: JM, 2004.

SILVA, C. Políticas públicas para a Educação do Campo e formação de professores. In: ARAÚJO, G. C. et al. (Orgs.). Educação do Campo, artes e formação docente (volume 2). Palmas: EDUFT, 2018, p. 51-74.

TOURINHO, I. Emoções e sentimentos: polêmicas sobre o ensino de arte. Comunicação e Educação, São Paulo, v. 25, p. 36-44, set./dez. 2002.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia pedagógica. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico. Tradução de Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2009.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Tradução de José Neto, Luís Barreto e Solange Afeche. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VIGOTSKI, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Ridendo Castigat Mores, 2001.

VIGOTSKI, L. S. Obras Escogidas III. 2. ed. Madrid: Aprendizage Visor, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/.v0i50.46782

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1516-5477