O SUSTENTÁVEL NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EXISTENCIAL, A PARTIR DO LUGAR: UMA OPOSIÇÃO À OBJETIFICAÇÃO DA NATUREZA

Fábio Pessoa Vieira

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar o sustentável em uma Educação Ambiental existencial a partir de uma perspectiva de valorizar as possibilidades humanas de envolvimento com o ambiente, que tenham como referência o pertencimento e as relações de intimidade com o lugar. Apresento como que a humanidade ao longo do espaço tempo, priorizou a sua relação com a natureza, a partir de um viés técnico, mecanicista e cientificista, e como que tal relação propiciou o surgimento do conceito de desenvolvimento sustentável. Leituras decoloniais e fenomenológicas fundamentam a epistemologia e metodologia deste artigo. Obras de diversos campos do conhecimento, em especial da filosofia, geografia e biologia fundamentam conceitos presentes no texto e possibilitam a tessitura de uma Educação Ambiental existencial. Como um contraponto, ao desenvolvimento sustentável, propicio o entendimento de que a sustentabilidade se reconfigura e é produzida em um diálogo com outros saberes, tendo com basilar o lugar, rompendo com o pensamento produzido por uma sociedade que impõe uma única maneira de ser sustentável, desprezando as experiências vividas e o os diversos saberes.


Texto completo:

PDF (baixado

Referências


ARROYO, M. G. Outros Sujeitos, outras pedagogias. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

ARTIGAS, M. Filosofia da Natureza. São Paulo: Instituto Brasileiro de Filosofia e Ciência Raimundo Lúlio, 2005.

BACH Jr, J. A fenomenologia da natureza de Goethe: conexões à educação ambiental. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Porto Alegre, n.1, v.30, p.140-158, 2013.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso futuro Comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1991.

DARDEL, E. O Homem e a Terra: natureza da realidade geográfica. Tradução de Werther Holzer. São Paulo: Perspectiva, 2015.

JAPIASSU, H; MARCONDES, D. Dicionário de Filosofia. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

HADOT, P. O Véu de Ísis: Ensaio sobre a história da ideia de natureza. São Paulo: Loyola, 2006.

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

¬¬¬¬¬¬¬LEFF, E. Discursos Sustentáveis. Tradução de Silvana Cobucci Leite. São Paulo: Cortez, 2010.

MATURANA, H.; VARELA, F. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. Tradução de Humberto Mariotti. São Paulo: Palas Athena, 2001.

MERLEAU-PONTY, M. A Natureza. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

MICHAELIS. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2015

¬¬¬PORTO-GONÇALVES, C. W. Os (des)caminhos do Meio Ambiente. 15. ed. Contexto: São Paulo, 2006.

RELPH, E. Reflexões sobre a Emergência, Aspectos e Essência de Lugar. In: MARANDOLA Jr Eduardo, HOLZER Wherther, OLIVEIRA Lívia de (Orgs). Qual o espaço do lugar?: geografia, epistemologia, fenomenologia. São Paulo: Perspectiva, p.17-32, 2012.

SUERTEGARAY, D. M. A. Geografia Física (?) geografia Ambiental (?) ou geografia e ambiente (?). MENDONÇA Francisco, KOZEL, Salete (Orgs). Elementos de epistemologia da Geografia contemporânea. 1° ed. revisada. Curitiba: Editora da UFPR, p.111-120, 2014.

TUAN, Y.-F. Topofilia: Um estudo da percepção, atitude e valores do meio ambiente. Tradução de Lívia de Oliveira. Londrina: Eduel, 2012.

VIEIRA, F. P. Por um envolvimento na Educação Ambiental. ETD – Educação Temática Digital. Campinas, v.16, n.3, p.395-407, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/.v0i50.46816

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1516-5477