AS REPRENTAÇÕES SOCIAIS DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO SOBRE LUTO INFANTIL E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

Solange Franci Raimundo Yaegashi, Edivana Gomes Severino Antunes, Aliandra Cristina Mesomo Lira

Resumo


Neste artigo, analisam-se as representações sociais dos profissionais da educação sobre o luto infantil, bem como a sua relação com as dificuldades de aprendizagem de crianças do ensino fundamental. Os dados foram coletados por meio da aplicação de questionário sociodemográfico e de entrevista semiestruturada com 19 profissionais da educação, sendo 15 professores de turmas do 1º ao 5o anos do ensino fundamental, uma diretora e três coordenadores pedagógicos, de uma escola municipal localizada em um município do Norte do Paraná. Em relação ao referencial teórico-metodológico, a pesquisa fundamenta-se na Teoria das Representações Sociais (TRS); seus resultados revelam que a maioria dos participantes concorda que o luto infantil pode impactar a aprendizagem. Dentre as características que evidenciam o luto na criança, os participantes mencionaram alterações de humor (tristeza, apatia, choro e baixa autoestima) e de comportamento (agressividade, retraimento e isolamento social). Conclui-se que, embora as situações de morte e de luto sejam recorrentes no ambiente escolar, falta aos professores e aos gestores formação específica para lidar com essa problemática.


Texto completo:

PDF (baixado

Referências


ABRIC, J. C. A abordagem estrutural das representações sociais. In: MOREIRA, A. S. P.; OLIVEIRA, D. C. (Org.). Estudos interdisciplinares de representação social. 2. ed. Goiânia: AB, 2000. p. 27- 38.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações à educação. Revista Múltiplas Leituras, v.1, n. 1, p. 18-43, jan./jun. 2008.

ALVES, E. G. R.; KOVÁCS, M. J. Morte de aluno: luto na escola. Psicologia Escolar e Educacional, v. 20, n. 2, mai./ago., 2016, p. 403-406. disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2019.

ASSUMPÇÃO, E. A. D'. Dizendo adeus: como viver o luto, para superá-lo. Belo Horizonte: PUC Minas, 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Lei n.° 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em:

. Acesso: 01 abr. 2019.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2019.

BROMBERG, M. H. P. F. A psicoterapia em situações de perdas e luto. Campinas: Livro Pleno, 2000.

CHAGAS, J. S. Representações da morte nos meios escolar e universitário natalenses (Natal, Brasil). 2011. 379f. Tese (Doutorado em Psicologia)-Universidade Aberta, Lisboa, 2011. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2019.

DURAN, K. M.; VENANCIO, L. R.; RIBEIRO, L. S. Influência das emoções na cognição. 2004. Disponível em: http://www.ic.unicamp.br/~wainer/cursos/906/trabalhos/Trabalho_E1.pdf. Acesso em: 01 abr. 2019.

DOMINGOS, B.; MALUF, M. R. Experiências de perda e luto em escolares de 13 a 18 anos. Psicologia: Reflexão e Crítica, São Paulo, v.16, p. 577-589, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v16n3/v16n3a16.pdf. Acesso em: 01 abr. 2019.

FRONZA, L. P.; QUINTANA, A. M.; WEISSHEIMER, T. K. S.; BARBIERI, Â. O tema da morte na escola: possibilidades de reflexão. Bararói, Revista do Departamento de Ciências Humanas, n. 43, p. 48-71, jan./jun., 2015. . Acesso em: 01 abr. 2019.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GRANJA, A. M. A. A morte e o luto em contexto escolar: das vivências na primeira pessoa à (re)significação do conceito de escola acolhedora. 2013. 707f. Tese. (Doutorado em Educação)- Universidade de Aveiro. Portugal. Disponível em: https://ria.ua.pt/bitstream/10773/11488/1/tese.pdf. Acesso em: 01 abr. 2019.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. (Org.). As representações sociais. Rio de Janeiro: Uerj, 1989. p. 17- 41.

JOVCHELOVITCH, S. Os contextos do saber: representações, comunidade e cultura. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

KAPPEL, A. S.; DIAS, A. R. G. Luto Infantil: um estudo através das representações. Maiêutica – Curso de Pedagogia, v. 1, n. 1, p. 41-50, 2013. disponível em: https://publicacao.uniasselvi.com.br/index.php/PED_EaD/article/view/1279/437. Acesso em: 01 abr. 2019.

KOVÁCS, M. J. Educação para a morte: temas e reflexões. São Paulo: Casa do Psicólogo; Fapesp, 2003.

KOVÁCS, M. J. A morte no contexto escolar: desafio na formação de educadores. In: FRANCO, M. H. P. (Org.) Formação e rompimento de vínculos: o dilema das perdas na atualidade. São Paulo: Summus, 2010. p. 145-168.

KOVÁCS, M. J. Educação para a morte: desafio na formação de profissionais de saúde e educação. São Paulo: Casa do Psicólogo; Fapesp, 2012a.

KOVÁCS, M. J. Educadores e a morte. Revista semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, SP, v.16, p. 71-81, jan./jun., 2012b. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pee/v16n1/08.pdf. Acesso em: 01 abr. 2019.

KUBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. 9. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012, 3. tiragem.

MAGALHÃES, A. T. O. As representações sociais da morte para professoras e pais em instituições de educação infantil. 2008. 132f. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade de Brasília, Brasília, 2008. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2019.

MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MOSCOVICI, S. A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em Psicologia Social. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

OLIVEIRA, J. B. Ansiedade face à morte: uma abordagem diferencial. Psychologica, v. 31, p. 161-176, 2002.

PORTO, O. Psicopedagogia institucional: teoria, prática e assessoramento psicopedagógico. 2. ed., Rio de Janeiro: Wak, 2007.

RODRIGUEZ, C. F. Falando de morte na escola: o que os educadores têm a dizer? 2010. 341f. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) - Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2019.

RUBINSTEIN, E. R. O estilo de aprendizagem e a queixa escolar: entre o saber e o conhecer. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

SANTOS, F. S.; INCONTRI, D. A educação para a vida e para a morte: do ensino fundamental à universidade. In: SANTOS, F. S. (Org.). A arte de morrer: visões plurais. São Paulo: Comenius, 2010. p. 16-29.

SANTOS, F. S.; INCONTRI, D. SANTOS, F. S.; As leis, a educação e a morte - uma proposta pedagógica de tanatologia no Brasil. International Studies on Law and Education. 2011 CEMOrOC-Feusp/IJI-Univ. do Porto. Disponível em: http://www.hottopos.com/isle9/73-82Dora.pdf. Acesso 01 abr. 2018.

SCHILLING, F. Reflexões sobre justiça e violência: o atendimento a familiares de vítimas de crimes fatais. São Paulo: Educ/ Imprensa Oficial do Estado, 2002.

SUKIENNIK, P. B. Implicações da depressão e do risco de suicídio na escola durante a adolescência. Adolescência Latino-americana, v. 2, p. 34-44, 2000.

TORRES, W. C. A criança diante da morte: desafios. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.4025/.v0i50.47444

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1516-5477